1

Lançamento: DesContos de Fadas

Organizado por Maria Esther Sammarone “um grupo de dezessete escritores se propôs a repensar os contos de fadas de forma bem-humorada sob a ótica das desilusões, reflexões, neuroses e modos de vida da sociedade moderna. Em diferentes vozes e estilos, aventuras originais ou recriadas, os textos deram novas vidas a princesas, anões, bonecos, sereias, lobos, marinheiros…”

O evento de lançamento será no dia 14/05/16, um sábado, no espaço Sensorial DiscosRua Augusta, 2389 – Jardins, São Paulo – SP. Das 15h às 19h.
@link editora. Te vejo lá!

Capa 3d

Ilustrações de Maria Luísa Miranda Massanet.

Autores convidados: Nanete Neves, Márcia Barbieri, Manuel Filho, Tracy Segal, Rogério Terranova, Maria Esther Sammarone, Mariana Portela, Plínio Camillo, Denise Ranieri, Laura Del Rey, Bia Bernardi, Fernando Rocha, Milton Strassa, Roseli Pedroso, Carlos Davissara, Eder Santin e Gláuber Soares.

http://www.alinkeditora.com.br

0

Te vejo no Bordel!

BORDEL POESIA (12a edição) – 18.06.15 – 5a feira
Traga sua arte para o sarau mais sedutor da cidade

No Bar Mr. Cult (Praça Roosevelt, 100 – Centro – São Paulo-SP)
20h a meia-noite – R$ 5,00

bordel3

ATRAÇÕES
– Palco aberto com apresentações variadas a cada 20 min, telão com vídeos musicais temáticos, ambiente cabaretizado, cardápio literário
– Autores bordélicos: Márcia Barbieri e Gláuber Soares
– Bocket show: Molodoys

bordelpoesia

Aceita cartão
Metrô República e Anhagabaú
Estacionamento 24h

SOBRE
O Bordel Poesia é um sarau com elementos do teatro de revista, que reúne variadas expressões artísticas num ambiente cabaretizado. A ênfase é nos temas paixão, desejo e erotismo, mas vale qualquer tema. O evento é bimensal (quinta-feira), aberto ao público e todos podem se apresentar com números de literatura, música, dança, teatro, burlesco, humor, vídeo, fotografia etc.

> Saiba mais, veja fotos:
https://www.facebook.com/saraubordelpoesia

Produção: Ricardo Kelmer e Fellipe Defall

2

“Remedio Fuerte” en Argentina! Sí, sí, como no!

Com grande satisfação recebi no início desta semana a confirmação de que o meu livro de contos Remédio Forte será publicado na Argentina. Ele foi selecionado para participar da Coleção de Países/Autores espanhóis e latino-americanos.

“Editorial Antigua tiene el agrado de anunciar la aparición de la Colección Países/Autores españoles y latinoamericanos, a cargo de nuestro querido amigo Alejandro Mansilla, autor de “La Hija del Jardín”. Es un privilegio para nosotros contar con su acompañamiento en este nueva apuesta!.

Los dejo con las palabras de presentación de Alejandro Mansilla:

Alejandro Mansilla (organizador da coleção)

Alejandro Mansilla (organizador da coleção)

No necesariamente lo grandilocuente provoca literatura. ¡Hasta lo más insignificante puede incitarla! Pero para que eso suceda es necesario que haya talentosos escritores observando el mundo, o todos los mundos que puedan fabricar sus ricas imaginaciones. Los libros que hoy presento a todos ustedes a modo de primera colección a mi cargo en Editorial Antigua están nutridos de esa rica habilidad, tan necesaria, cuando se busca la perfección a la hora de construir un relato. Leyendo estos libros, escritos con diferentes e internacionales acentos, me he nutrido con bellos aprendizajes. Por momentos he accedido a esa verdad que se disfruta cuando se vive aislado en un inalcanzable territorio, sintiéndome capaz de interpretar los grandes misterios y sus ocultas verdades… Los de esta colección son libros cuyas páginas suenan fervientes y auténticas. Y que nos ayudarán, sin dudas, a recuperar la olvidada habilidad de leer los pensamientos, tanto los ajenos como los propios, para completar el paisaje.

¡Invito con inmensa satisfacción a descubrir estos nuevos autores!

Próximos Títulos de la Colección:
   “Gota a gota” de José Zurriaga, España.
   “Funeral caribeño” de Mauricio Salgado, Honduras.
   “Remedio Fuerte” de Gláuber Soares, Brasil.
   “Allá lejos en Flores Sur” de Thomas Moro Simpson, Argentina.”

0

“Remédio Forte” citado pelo Luiz Bras no jornal Estado de Minas

luizbras2Uma formiguinha ser citada pelo gigante Luiz Bras é motivo para pôste, soltar fogos e de muita festa no formigueiro. Ser um escritor consagrado é algo até fácil de se alcançar, o difícil mesmo é ser respeitado no meio literário — o Luiz é tudo isso, além de doutor em letras pela USP, articulista da Folha de S. Paulo, ganhador de vários prêmios, organizou as antologias Geração 90 e Geração 00 — selecionando os melhores autores das respectivas décadas. Pois bem, esta lenda, em entrevista para o jornal Estado de Minas sobre o seu novo livro de contos Pequena Coleção de Grandes Horrores, numa breve citação disse que teve sorte de esbarrar com o meu Remédio Forte. A sorte, meu camarada, foi minha. Suuuuperobrigado, Luiz Bras! Valeu mesmo!
A entrevista também saiu na versão online do jornal. Clique aqui para conferir.

0

A Arte de Enganar o Google

Em 07/12/2013 teremos o lançamento no Espaço Terracota da coletânea de contos: A Arte de Enganar o Google. Também estou nessa com um conto inédito. Abaixo a orelha do livro, escrita por Claudio Brites:

a arte_final“As narrativas aqui reunidas tratam do que não é social, do que não cai na rede. Do que não está exposto na vitrine de felicidade das redes sociais. A loucura não pode ser mapeada, a marginalidade só pode ser estigmatizada ou santificada. A dor, a alegria, o chip escondido em sua braguilha, nada disso interessa de verdade. Vai me dizer que você nunca digitou seu nome no Google para descobrir os resultados? Saber o que estão falando, comentando, encontrar uma homônimo, consultar o SERASA, a NASA, não? Admita. O Google é um regulador de existências, se não está lá, onde está? Aqui, na literatura, na não presença da Arte, de enganar, de escrever. Os autores aqui reunidos estão em processo de mapeamento, catalogação, buscam se tornar hashtag, meme. Os personagens aqui escondidos, não; esses não querem uma foto três por quatro em lugar nenhum, querem o silêncio da não digitalização, querem ouvir os pássaros e matar os pássaros sem denúncia ou coerção dos ativistas em seus sofás. Querem se vestir de preto para se camuflarem na escuridão daqueles que se perderam no limbo do off-line, um lugar de prazeres indescritíveis, e vozes. Muitas vozes. Não querem ser resgatados. Mas aceitam visitas, e só você, folheando – isso mesmo: folheando – essas páginas poderá conhecê-los, porque esse livro não será adicionado ao Google Books e nem exposto na livraria do Kindle. Com sorte, irá parar num sebo, enquanto seus autores têm suas frases compartilhadas pelo Universo.”